Homem mata duas irmãs e a prima delas; avó sobrevive por “milagre”


30/09/2019

Image

Duas jovens e uma adolescente da mesma família foram assassinadas em Duque de Caxias (RJ) na noite desta quarta-feira (25). Andressa Soares Lima, 20, Ingrid Rocha de Souza, 19 e Stéfani Rocha Moraes, de 15 anos, morreram enquanto jantavam.
Por volta das 20h, um homem suspeito de ser o ex-namorado de uma das vítimas entrou na casa e descarregou uma arma de fogo. Na mesma residência estavam uma idosa e uma criança de 4 anos, que não foram feridas.
Andressa era prima das irmãs Ingrid e Stéfani. Todas as três morreram na hora e o criminoso fugiu. A principal linha de investigação da polícia é de crime passional. Ou seja, feminicídio.
Vizinhos contaram que ouviram gritos e vários tiros na hora do crime. Agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) buscam imagens de câmeras de segurança na região para tentar identificar o autor do crime. Parentes das vítimas prestaram depoimento na DHBF ao longo da madrugada desta quinta (26).
Simulou assalto
Em depoimento, uma testemunha afirma que o assassino é ex-namorado de uma das vítimas e simulou um assalto.
“Ele chegou armado simulando um assalto. Pediu os celulares de todos que estavam na casa e depois atirou, do nada. Fugiu sem levar nenhum bem material. Deixou pra trás até os celulares. Eram meninas boas. Não temos ideia do que motivou isso”, contou.
De acordo com outra testemunha, a idosa que sobreviveu só não morreu porque a arma do criminoso falhou. “Após matar as meninas, ele apontou a arma na direção da avó das jovens, mas o tiro não saiu. Acho que o disparo falhou ou a munição acabou. Ela escapou por milagre”, disse.
A versão é confirmada por um dos familiares da jovem. “Ele deu dois disparos em direção a avó e só não acertou porque a bala da arma acabou. Ele tinha a aparência de um nordestino, com mais ou menos 1,70m e uns 40 anos”, afirmou.
No entanto, o familiar contesta a informação de que o assassino é ex-namorado de uma das meninas. “Ele não conhecia nenhuma delas. Nem a família o conhece. Ele disse que queria o celular. Pediu o celular de todos que estavam na casa e apontava a arma para elas”, acrescentou.
A Polícia Civil informou que foi instaurado um inquérito para apurar as circunstâncias das mortes. “Diligências estão sendo realizadas para elucidar o fato. As investigações estão em andamento”.
Pragmatismo