Onze PMs do Raio são investigados por mortes durante operações


12/07/2019

Image
Onze policiais militares destacados no Comando de Policiamento Raio no interior do estado e na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) estão sendo investigados pela Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário  (CGD),  e correm o risco de serem expulsos da PM. A conduta deles é questionada em dois Conselhos de Disciplina que apuram confrontos que terminaram em mortes, fatos ocorridos no ano passado,  em Quixeramobim e Caucaia.




As investigações da CGD foram instauradas a partir de comunicações internas da PM à CGD e que  apontam “indícios de cometimento de transgressão disciplinar”, conforme documento assinado pela controladora geral Cândida Maria Torres de Melo Bezerra, e já publicado no Diário Oficial do Estado do Ceará (DOE).

As informações iniciais  apontam que um sargento, três cabos e sete soldados do Raio teriam participado diretamente das mortes de Wálisson Fernandes da Silva e Valdomir dos Santos Ribeiro Honorato. A identificação dos militares investigados será mantida em sigilo nesta matéria  já que as apurações ainda não estão concluídas, porém, os nomes dos 11 PMs já foram publicados pelo DOE.

Mortes

O primeiro episódio aconteceu no dia 29 de março do ano passado, em Caucaia, quando um homem foi morto numa suposta troca de tiros com uma patrulha do Raio, durante uma operação na qual  foi mobilizada uma patrulha composta por um cabo e dois soldados.

De acordo com a CGD, foi encaminhada àquele órgão a notícia de “ocorrência de homicídio decorrente de oposição à intervenção policial  envolvendo policiais militares do Raio, tendo como vítima Wálisson Fernandes da Silva”.

O segundo caso ocorreu no dia 28 de setembro na localidade denominada Sítio Assentamento Canaã, na zona rural de Quixerambim, no Sertão Central (a 201Km de Fortaleza). Ali, após uma troca de tiros e fuga pelo matagal, foi baleado e morto um homem identificado como Valdomir dos Santos Ribeiro Honorato. Um sargento, dois cabos e cinco soldados do Raio participaram da operação que resultou, ainda, na apreensão de três armas de fogo.

Os dois episódios agora são apurados pela CGD, que já ouviu parte dos militares e pessoas noticiadas como testemunhas.

Informações Ceará News 7