Jovem some após abordagem de PMs no Ceará; família denuncia que policiais o mataram


18/06/2019

Image
Por volta das 11h de 11 de junho de 2019, há quase uma semana, Anderson Henrique da Silva Rodrigues ia até uma mercearia em Horizonte, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). No estabelecimento, o jovem de 20 anos foi abordado por policiais militares, que chegaram o chamando de vagabundo e desferindo tapas.




A versão contada por testemunhas que presenciaram a ação é o início de um episódio que possivelmente terminou com a morte de Anderson, de acordo com quem viu o momento e familiares que foram informados acerca do relato.

Da mercearia, o jovem teria sido levado até a sua residência, também em Horizonte, onde os vizinhos viram PMs entrarem na casa e lá permanecerem por cerca de duas horas. Durante este tempo, conforme testemunhas que prestaram depoimentos à Polícia Civil, foram ouvidos gritos como "socorro, eles vão me matar".

Testemunhas também contaram ter visto os policiais colocando a vítima desacordada dentro de uma viatura. Desde então, ninguém teve mais notícias acerca do paradeiro de Anderson Henrique.

A Polícia Militar do Estado do Ceará (PMCE) afirmou, por nota, que Anderson Henrique foi abordado por uma composição policial do Comando de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (CPRaio), no dia 11, aproximadamente ao meio-dia, em Horizonte. De acordo com a corporação, durante a abordagem houve consulta aos antecedentes criminais de Anderson e verificado que ele tinha passagens por receptação, desobediência e porte ilegal de arma de fogo.

Na nota, a Polícia Militar esclareceu que dada a "expressividade de procedimentos" que Anderson respondia e por ele ter dito aos servidores que pertencia a uma facção criminosa, os militares decidiram realizar uma busca minuciosa no entorno do local onde aconteceu a abordagem.
Nada de ilícito foi encontrado com o jovem e, segundo a Polícia Militar, Anderson foi liberado.

A equipe policial retornou ao patrulhamento de rotina. Ainda segundo a PMCE, não houve invasão à residência e será instaurado um procedimento administrativo para apurar a denúncia da mãe.

Maria Cristiane da Silva Leitão, mãe de Anderson, afirmou não acreditar na versão da Polícia Militar. Pedindo por Justiça e pelo direito de enterrar seu filho com dignidade, a mulher diz que devido ao tempo desaparecido, o filho já está morto. Em um dos boletins de ocorrência registrado relatando a abordagem dos policiais, uma testemunha revelou ter presenciado o início das agressões.

A mãe de Anderson pede respostas e que o caso não caia no esquecimento. Para ela, "está claro que a Polícia matou Anderson". Aline Sinara de Sousa, namorada de Anderson, também não acredita que o companheiro tenha sido liberado pelos policiais. Sinara recorda que no início da tarde do dia 11 recebeu ligação dos vizinhos do namorado pedindo que ela fosse às pressas até a casa dele.

"Cheguei na casa e estava tudo quebrado. Eles mataram, com certeza. Eu quero Justiça. Quero o corpo dele e vou até o fim", disse Sinara. A ocorrência também chegou ao conhecimento da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD). De acordo com a pasta, foi instaurada investigação preliminar para apuração dos fatos e, caso comprovados, "podem resultar em processo administrativo disciplinar".

Informações G1