Bebê morre durante parto e família denuncia negligência médica, em Sobral


25/05/2019

Image
A mãe procurou o hospital na terça-feira (22), mas durante o parto normal prematuro o bebê sofreu desmembramento.




Um bebê morreu durante um parto normal prematuro no Hospital Municipal Dr. Pedro de Castro Marinho, em Irauçuba, na Região Norte do Estado, na última quarta-feira (22). A família da mãe da criança denunciou o hospital por negligência nesta quinta-feira (23), após parte do corpo do feto ser desmembrado.

Depois da ocorrência no primeiro hospital, a mãe, de 18 anos, foi encaminha para a Santa Casa de Misericórdia de Sobral, onde foi retirada a outra parte do bebê que ainda estava dentro da jovem.

Em nota, a Santa Casa da Misericórdia informou que "ao ser atendida, identificou-se a cabeça fetal no canal vaginal da paciente. Foram realizados todos os atendimentos necessários (curetagem uterina) e a paciente está evoluindo bem".

Já o diretor clínico do Hospital de Irauçuba, Leonardo Fernandes, informou que apesar de não ser comum, o desmembramento "pode acontecer". "Não é relativamente comum, mas acontece. Está na literatura obstétrica", declarou.

Alegações do Hospital

O diretor do Hospital de Irauçuba relatou ainda, que a grávida estava com 23 semanas, cerca de cinco meses, e não seis meses como informou a família para a polícia. O período, conforme Leonardo Fernandes, é considerado "limite de abortamento e de um trabalho de parto prematuro extremo".

Ainda segundo Fernandes, não foi auscultado batimentos cardíacos do bebê antes do parto. Ele não soube dizer se a mãe foi informada, naquele momento, que não havia sinais cardíacos.

O diretor clínico ressaltou que, durante o parto, o médico precisou realizar uma "manobra padrão", porque o bebê estava invertido - ou seja, com os pés virados para a saída do útero, ao invés da cabeça. "Como já estava saindo, o tronco se desprendeu da vulva da mãe e a cabeça ficou presa. Ele foi fazer a manobra padrão. Pegar o tronco e jogar um pouquinho pra cima, para desprender. Quando ele fez isso, por ser feto muito frágil, pela idade gestacional, desprendeu do tronco", completou Fernandes.

Família indignada

Indignada com o ocorrido, a mãe da grávida registrou um boletim de ocorrência contra o Hospital de Irauçuba por negligência na quinta-feira (23). Na ocasião, ela informou que foi impedida de acompanhar o parto da filha e que o médico ordenou que ela esperasse na recepção.

O diretor do hospital alegou, no entanto, não ter conhecimento sobre a proibição e disse que não é algo comum. A jovem mãe de 18 anos relatou que o pré-natal foi feito normalmente e que ainda iria a realizar a segunda ultrassom da gravidez, já que na primeira não foi possível identificar o sexo do bebê.

Perícia

A Perícia Forense (Pefoce) de Sobral foi até a Santa Casa para realizar a perícia no corpo do bebê. Ao se deparar apenas com uma parte do corpo, os peritos chamaram a polícia de Itapajé, responsável pela área de Irauçuba, para acompanhar o caso. Em seguida, o tronco do bebê foi solicitado e encaminhado para a sede da Pefoce em Sobral.

O delegado titular de Itapajé, Thiago Rezende, disse que o caso será investigado a partir de segunda-feira (27).

(Diário do Nordeste)