Família paga plano funerário e passa por constrangimento na hora de sepultamento


23/04/2019

Image
O choro da tristeza de ter perdido um ente querido, foi trocado pelo choro da revoltar de ter sido enganado por um plano funerário, desses que você paga a vida toda e na hora da necessidade vem à decepção. Foi o que aconteceu com a família de Francisca Gomes de Souza, falecida na sexta-feira Santa, e que morava no entorno do Açude Cachoeira, em Sobral, cujo o sepultamento aconteceu no final da tarde de sábado.




O plano funerário oferecido pela PLAMOVIR, garantia na hora do sepultamento, cobertura melhor que quaisquer outros planos com, caixão, embasamento do corpo, jazigo, assistente social, auxiliar de enfermagem, ônibus, café, água, todo o aparato da concorrente.

Mas veio a primeira decepção: para fazer o embasamento teria que a família pagar R$ 1.500,00, uma vez que o trabalho seria feito na cidade de Massapê, e segundo consta foi feito pela funerária concorrente.

Na casa onde aconteceria o velório, deixaram o corpo na residência da vitima e foram embora. O viúvo ao procurar a PLAMOVIR o funcionário da empresa disse que não tinha direito, e comentou que não comentasse com alguém sobraria para “ele” o funcionário.

Na hora do sepultamento, mais constrangimento e revolta. O ônibus passou a ser exigido por todos da família e pessoas que estavam no velório. Que somente após exigência o carro chegou e com muito atraso.

O veículo para fazer o traslado do corpo chegou com atraso e os pneus lisos, não suportaram a estrada e um deles acabou furando. O sepultamento que estava marcado para as 15h, por irresponsabilidade da PLAMOVIR, só foi possível depois das 17h. A família promete entrar na justiça para reparar os danos e os constrangimentos que passaram durante o sepultamento de Francisca Gomes de Souza.

(Wilson Gomes)