No Ceará, Agente penitenciário e advogado dá voz de prisão um contra o outro


30/03/2019

Image

Ambos foram para a delegacia de Aquiraz, mas como o agente penitenciário é servidor público, eles tiveram que se dirigir à sede da CGD. Um agente penitenciário deu voz de prisão a um advogado e o defensor deu voz de prisão ao agente nesta sexta-feira, 29, na Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) 3, no Complexo Penitenciário de Itaitinga, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Ambos foram parar na delegacia. Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindasp), Valdemiro Barbosa, durante os ataques promovidos por organizações criminosas em janeiro, presos realizaram motins e estão respondendo sanções administrativas. A situação teria desagradado os advogados desses detentos e houve desentendimento. O agente penitenciário teria dado voz de prisão a um dos advogados e o defensor fez o mesmo contra o agente. O caso foi encaminhado à Delegacia de Aquiraz, mas não houve resolução e os dois foram levados à Delegacia de Assuntos Internos (DAI), da Controladoria Geral de Disciplina (CGD). Segundo o presidente do Sindasp, a confusão começou quando um diretor-adjunto da Casa de Privação Provisória de Liberdade CPPL 3 estava fazendo a oitiva, quando uma advogada se pronunciou. Neste momento, o agente penitenciário a interrompeu e disse que ela teria o momento de falar. Outro advogado interveio e o agente o prendeu por desacato. Ambos foram para a delegacia de Aquiraz, mas como o agente penitenciário é servidor público, eles tiveram que se dirigir à sede da CGD. Para Valdemiro, a confusão é por conta de procedimento que está sendo realizado para que esses detentos tenham a progressão de regime, ou seja, podem ser soltos. No entanto, com a instauração do procedimento administrativo, a progressão de regime pode não acontecer e os detentos não seriam libertados. O presidente do Sindasp relatou que o caso é específico com esse grupo de advogados que defende líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) e que os agentes penitenciários têm uma boa relação com a categoria. O POVO Online procurou a Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB-CE), e a assessoria de imprensa informou que o caso está sendo apurado. O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários afirmou que o agente foi ouvido e que os advogados prestaram depoimentos. Será aberto um procedimento na DAI para apurar o caso. Fonte: O Povo  Jéssika Sisnando