Desafio a Trump, Coreia do Norte dispara míssil balístico

Desafio a Trump, Coreia do Norte dispara míssil balístico

A Coreia do Norte disparou neste domingo (12) um míssil balístico que caiu no Mar do Japão, uma "provocação" segundo o governo da Coreia do Sul destinado a testar a resposta do novo presidente americano, Donald Trump.



A reação do presidente foi rápida, e Trump disse estar "100% atrás do Japão", cujo primeiro-ministro Shinzo Abe descreveu como "absolutamente intolerável" o lançamento do foguete em frente à costa do seu país.

O míssil foi disparado em direção ao Mar do Japão, às 07h55 (20H55 de sábado no horário de Brasília) a partir da base norte-coreana de Banghyon, na província de Pyongan do Norte (noroeste), informou o ministério da Defesa sul-coreano.

Após uma trajetória de cerca de 500 quilômetros para o leste, o míssil caiu no mar, indicou um porta-voz do ministério, acrescentando que o tipo de míssil balístico ainda não foi identificado.

"Parece que o lançamento de hoje foi realizado para chamar a atenção através do desenvolvimento das capacidades nucleares e de mísseis da Coreia do Norte", comentou o porta-voz.

"Acreditamos também que foi uma provocação armada para testar a resposta do novo governo dos Estados Unidos sob a presidência de Trump".

A agência de notícias Yonhap informou que os militares sul-coreanos inicialmente suspeitaram de um míssil de alcance intermediário Musudan, mas, pouco depois, inclinaram-se para a possibilidade de um míssil tipo Rodong, cujo alcance oscila entre 900 e 1.500 quilômetros, de acordo com a carga transportada.

Em outubro passado, Pyongyang testou mísseis Musudan duas vezes, ambos disparados a partir da mesma base aérea de Banghyon.

Reação em Mar-a-Lago

O disparo de míssil ocorreu enquanto Trump estava em sua residência em Mar-a-Lago, na Florida, com Shinzo Abe, com quem jogou golfe depois de reuniões de trabalho em Washington.

"Quero que todos entendam e estejam cientes do fato de que os Estados Unidos estão atrás do Japão, seu grande aliado, em 100%", afirmou Trump, que com sua esposa Melania entretiveram Abe com um jantar na mansão que o próprio magnata chama de "a Casa Branca de inverno".

Durante a visita de Abe aos Estados Unidos, Washington reafirmou seu compromisso de garantir a segurança do aliado asiático.

"Vamos trabalhar em conjunto para promover os nossos interesses comuns, que são numerosos na região, incluindo a liberdade de navegação e defesa contra a ameaça nuclear e de mísseis da Coreia do Norte, sendo ambos prioridades muito, muito elevadas", afirmou Trump.

Por sua vez, Abe declarou que o lançamento do míssil era "absolutamente intolerável" e pediu que a Coreia do Norte "respeite plenamente" as resoluções do Conselho de Segurança da ONU que proíbem testes balísticos.

Seis sucessivos pacotes de sanções impostas pela ONU desde o primeiro teste nuclear norte-coreano em 2006 não conseguiram dissuadir Pyongyang de seguir em frente com seu programa.

Washington advertiu em várias ocasiões que jamais tolerará uma Coreia do Norte com armas nucleares.

Os analistas divergem sobre o quão próximo Pyongyang está de realizar suas aspirações nucleares. Contudo, todos concordam nos enormes avanços nessa direção desde a chegada ao poder de Kim Jong-Un após a morte de seu pai, Kim Jong-Il, em dezembro de 2011.

Meta de Kim

Durante uma visita a Seul no início deste mês, o novo secretário de Defesa americano, James Mattis, alertou Pyongyang que qualquer ataque nuclear iria receber uma resposta "eficaz e esmagadora".

"Qualquer ataque contra os Estados Unidos ou nossos aliados será derrotado e qualquer uso de armas nucleares receberá uma resposta que será eficaz e avassaladora", garantiu Mattis.

Em janeiro, o líder norte-coreano Kim Jong-Un afirmou que seu país está "na fase final" de desenvolvimento de um míssil balístico intercontinental (ICBM), em um aparente desafio a Trump, que respondeu em um tuíte: "Isso não vai a acontecer".

Um diplomata desertor norte-coreano, que se exilou recentemente na Coreia do Sul, assegurou que Kim tenta avançar em sua meta de conseguir armas nucleares aproveitando a transição de poder na Coreia do Sul, onde a presidente é alvo de um processo de impeachment, e na Casa Branca.

Thae Yong-Ho, ex-embaixador adjunto na Grã-Bretanha, disse que o líder da Coreia do Norte jamais desistirá de sua ambição nuclear, seja qual for o incentivo financeiro colocado sobre a mesa.

Fonte: UOL

Compartilhe:

Disqus Comments